Proteínas da saliva
Postada em: 18/06/2008
Fonte: Estado de Minas - MG 26/03/2008

Chicago – Pesquisadores norte-americanos identificaram 1.116 proteínas singulares encontradas nas glândulas salivares dos seres humanos, uma descoberta que, asseguram, vai permitir a elaboração de uma série de testes com base na saliva, dispensando a coleta de sangue. Isso porque, informa o médico Fred Hagen, pesquisador da Universidade do Centro Médico Rochester, de Nova York, até 20% das proteínas são encontradas na saliva existentes também no sangue.

“Esse é um campo potencialmente amplo, com várias implicações na área de diagnóstico de doenças", disse Hagen, autor de um artigo sobre o assunto, publicado no Journal of Proteome Research. Os pesquisadores estão confiantes de que testes com base na saliva vão ajudar a diagnosticar doenças como câncer, males do coração e diabetes, além de outras. “Para sermos capazes de diagnosticar uma doença usando a saliva, é preciso compreender de forma aprofundada o proteoma da saliva.”

De forma semelhante ao genoma, que lista todos os genes de um organismo, o proteoma é um mapa completo das proteínas. Enquanto os genes fornecem o manual de instruções, as proteínas carregam essas informações, regulando os processos celulares.

Pesquisadores de cinco entidades de ensino superior – Universidade de Rochester, Instituto de Pesquisa Scripps, Universidade do Sul da Califórnia, Universidade da Califórnia em San Francisco e Universidade da Califórnia, em Los Angeles – tentaram identificar todas as proteínas secretadas pelas grandes glândulas salivares. Coletou-se a saliva de 23 homens e mulheres saudáveis de várias raças. E foram testadas as amostras usando um tipo de espectômetro de massa, que identifica uma proteína com base na medida de sua massa e de sua carga.

A maior parte das proteínas encontradas era do tipo que indica caminhos, substâncias fundamentais para a resposta do corpo a doenças. Segundo Hagen, a pesquisa acelerará o desenvolvimento de novos instrumentos para identificar doenças que atingem todo o corpo.


Retornar à Área de Notícias